Notícias

Andreas von Richthofen: Irmão de Suzane não paga a manutenção do túmulo dos pais há anos

Por Redação
janeiro 12, 2024

O irmão de Suzane Louise von Richthofen, Andreas von Richthofen conquistou, após batalha na Justiça, o direito de gerenciar a herança dos pais assassinados, avaliada em R$ 10 milhões à época da decisão, em 2006. No entanto, o espólio milionário tornou-se uma bola de dívidas.

Além do prejuízo com as despesas dos imóveis e terrenos, Andreas acumula dívidas até na manutenção do túmulo dos próprios pais (Manfred Albert von Richthofen e Marísia von Richthofen), assassinados em 2002 pelos irmãos Daniel e Cristian Cravinhos, com participação de Suzane.

Com a vitória no processo contra a irmã, Andreas herdou a titularidade do túmulo do pai. O casal von Richthofen está enterrado no Cemitério do Redentor, no bairro do Sumaré, em São Paulo (SP).

Manutenção está atrasada há 4 anos

A taxa de manutenção da sepultura simples custa R$ 650 por semestre e está atrasada há quatro anos. Em 2019, o túmulo estava inadimplente e quase foi a leilão.

O leilão não foi para frente porque Miguel Abdalla Netto, tio de Suzane e Andreas, quitou o débito junto com a administração do cemitério. Segundo um dos coveiros , anônimos tentaram pagar a dívida no cemitério, porém, a administração não permite que pessoas fora do círculo familiar paguem as despesas.

Funcionários do Redentor relataram que o túmulo dos von Richthofen só recebe visitas de estranhos. Eles afirmam que cuidam da sepultura porque sabem do “drama pessoal” que Andreas vive.

“Esse garoto é a maior vítima dessa tragédia, e essa sepultura é simbólica para os coveiros e jardineiros. Não merece ser engolida pelo mato”, disse um funcionário do cemitério.

Herança milionária

A lista de bens herdados por Andreas após uma batalha judicial com a irmã incluía carros, terrenos, imóveis e dinheiro em contas correntes e aplicações. Ao todo, o valor dos bens era estimado em quase R$ 10 milhões.

No momento, o caçula da família von Richthofen acumula 24 ações na Justiça de São Paulo por dívidas de Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) e condomínios atrasados. O débito soma cerca de R$ 500 mil.

Algumas herdadas dos pais foram invadidas por “falsos sem-teto” e Andreas chegou a perder o título de uma das residências para invasores por usucapião. Além disso, outras correm o risco de serem tomadas.

Por Redação / Com Metrópoles

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fale conosco

Rua José Pinto de Barros, Nº  26
 Centro
Palmeira dos índios - AL

E-mail: siteagresteagora@gmail.com

linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram