Notícias

Kim Jong Un quer derrubar arco de reunificação das Coreias e chama sul-coreanos de “inimigos”

Por Redação
janeiro 16, 2024

O líder norte-coreano, Kim Jong Un, prometeu na segunda-feira (15) remover um enorme monumento à possível reunificação da península coreana que seu pai construiu em Pyongyang, chamando-o de “monstruosidade”.

O apelo de Kim durante um discurso em uma reunião da Assembleia Popular Suprema em Pyongyang foi a mais recente de uma série de declarações belicosas do líder norte-coreano, incluindo uma declaração feita no Ano Novo de que o norte estava colocando um fim a uma política de busca de reconciliação com a Coreia do Sul.

Coreia do Norte também tem estado militarmente ativa nas últimas semanas, disparando centenas de tiros de artilharia em águas perto de uma fronteira disputada entre o norte e o sul e testando o que disse ser um míssil balístico equipado com um veículo planador hipersônico.

Além de pedir a destruição do monumento da reunificação, Kim também disse na segunda-feira (15) que Pyongyang estava abolindo todas as agências de promoção da cooperação com Seul. Ao mesmo tempo, ele chamou o sul de “principal adversário e principal inimigo invariável” do norte.

Embora a retórica do líder norte-coreano seja forte, apoiá-la na destruição de uma estrutura simbólica construída pelo seu pai, Kim Jong Il – e que representa os princípios do seu avô Kim Il Sung – mostra que décadas de política norte-coreana estão sendo abandonadas, disseram especialistas.

A família Kim, começando com Kim Il Sung, governa a Coreia do Norte desde a sua fundação após a Segunda Guerra Mundial, em 1948.

O norte e o sul continuam tecnicamente em guerra, mas ambos os lados declararam há muito tempo o objetivo final de um dia reunificar pacificamente a península e se considerarem mutuamente como membros da mesma família.

Mas a retórica mais recente de Kim afasta-se do objetivo da reunificação e, em vez disso, retrata cada vez mais a Coreia do Sul como um adversário implacável.

“O discurso de ontem mostra que Kim Jong Un está estabelecendo a sua própria forma de unificação baseada no poder, quebrando o legado de Kim Il Sung e de Kim Jong Il”, disse Jeong Eun-mee, pesquisadora do Instituto Coreano para a Unificação Nacional. “A demolição do monumento mostra isso simbolicamente”, disse ela.

Abrangendo a rodovia da Reunificação entre Pyongyang e a zona desmilitarizada que separa a Coreia do Norte e do Sul, o arco de nove andares chamado Monumento às Três Cartas para a Reunificação Nacional foi concluído em 2001, após dois anos de construção.

Ele simboliza os esforços de Kim Jong Il e Kim Il Sung para estabelecer diretrizes para unir a Coreia do Norte e a Coreia do Sul.

Soldados sul-coreanos e do Comando das Nações Unidas na aldeia de trégua de Panmunjom, na Zona Desmilitarizada que separa as Coreias do Sul e do Norte, em 19 de julho de 2022 / SeongJoon Cho/Bloomberg/Getty Images

Kim Jong Un declarou na segunda-feira (15) o fim enfático do pensamento de reunificação. “Deveríamos remover completamente o monstruoso ‘Monumento às Três Cartas para a Reunificação Nacional’… e tomar outras medidas para eliminar completamente conceitos como ‘reunificação’, ‘reconciliação’ e ‘compatriotas’ da história nacional da nossa República”, Kim é citado como tendo dito pela KCNA.

Leif-Eric Easley, professor da Universidade Ehwa, em Seul, disse que romper com as políticas de unificação do seu pai e do seu avô mostrou que “Kim está enviando uma forte mensagem interna de que os desafios da Coreia do Norte são impulsionados externamente”.

Rejeitando a reunificação pacífica

Uma das partes das três cartas de Kim Jong Il, e um princípio introduzido por Kim Il Sung na política norte-coreana na década de 1970, era que “a reunificação nacional deveria ser alcançada por meios pacíficos, sem recorrer às armas”.

Mas Kim disse na segunda-feira (15) que o norte, oficialmente conhecido como República Popular Democrática da Coreia, “não quer a guerra, mas também não temos intenção de evitá-la”.

O líder norte-coreano disse que “o perigo da eclosão de uma guerra ser causada por um confronto físico agravou-se consideravelmente” e prometeu que se a guerra acontecer, o norte tomaria toda a península à força.

Na mesma reunião em que Kim falou, o Parlamento da Coreia do Norte anunciou a abolição do Comitê para a Reunificação Pacífica do País, do Gabinete Nacional de Cooperação Econômica e da Administração Internacional de Turismo de Kumgangsan, entidades todas concebidas para a cooperação com a República da Coreia, nome oficial da Coreia do Sul.

“É um grave erro anacrônico considerar a República da Coreia como um parceiro para a reconciliação e a reunificação, uma vez que declarou a República Popular Democrática da Coreia como um ‘principal inimigo’ e procura apenas uma oportunidade para ‘derrubar o governo’ e alcançar a ‘unificação por absorção'”, disse a KCNA.

O Livro Branco de Defesa de 2022 da Coreia do Sul, publicado no início de 2023, incluía uma linha que dizia: “o regime norte-coreano e os militares norte-coreanos são nossos inimigos”, pela primeira vez em seis anos.

O líder norte-coreano Kim Jong Un caminha na frente de um míssil, em uma foto divulgada pela mídia estatal / 25/03/2022 STR/KCNA/KNS/AFP/Getty Images

Coreia do Sul não recua

Na terça-feira (16), o líder sul-coreano Yoon Suk Yeol disse que o seu governo não se deixará intimidar pelas últimas ameaças de Kim. “Se a Coreia do Norte provocar, iremos puní-los muitas vezes mais”, disse Yoon em reunião do Gabinete em Seul.

Yoon observou que Kim Jong Un declarou ilegal a Linha Limite Norte, uma fronteira de fato disputada pelas Nações Unidas no final da Guerra da Coreia em 1953.

Na terça-feira, Yoon chamou a rejeição da Linha Limite Norte por parte de Kim de “um ato político provocativo para quebrar a Coreia do Sul e deixar nosso povo nervoso”.

A Linha Limite Norte se estende a três milhas náuticas da costa norte-coreana e coloca cinco ilhas próximas da costa sob controle sul-coreano. No início deste mês, a Coreia do Norte disparou cerca de 200 tiros de artilharia que caíram em uma zona tampão marítima perto dela.

A Coreia do Norte já rejeitou anteriormente a Linha Limite Norte e propôs uma linha diferente – uma que estenderia aproximadamente a zona desmilitarizada para sudoeste até ao Mar Amarelo, em vez de abraçar a costa norte-coreana.

Yoon, que adotou uma posição muito mais dura em relação à Coreia do Norte do que os seus antecessores, disse que a disputa do sul era com o regime de Kim, e não com o povo da Coreia do Norte.

A constituição sul-coreana define todos os coreanos na península como iguais, com a população do norte tendo os mesmos direitos que a do sul, e Yoon disse na terça-feira (16) que o sul acolheria desertores do norte.

“O governo não poupará atenção e apoio para que os desertores se estabeleçam bem na nossa sociedade”, disse Yoon.

Redação com CNN Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fale conosco

Rua José Pinto de Barros, Nº  26
 Centro
Palmeira dos índios - AL

E-mail: siteagresteagora@gmail.com

linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram